Acampamento Marisa Letícia (Rua Padre João Wislinski, 260, Bairro Santa Cândida, Curitiba, PR) foi atacado a tiros entre 3:00 e 4:00 da madrugada de sábado (28). Duas pessoas ficaram feridas, uma gravemente segundo delcaração da Presidente do PT, Gleisi Hoffmann. Antes dos disparosu houve registro de movimenação de pessoas com manifestações verbais pró-Bolsonaro.
O sindicalista paulista Jeferson Lima de Menezes foi baleado no pescoço e a polícia foi acionada. Uma mulher foi atingida por estilhaços no ombro.

No vídeo a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), recrimina o recrudescimento dos “ataques fascistas”, “resultado desse processo construído de perseguição contra o presidente Lula, contra o PT, contra os movimentos de esquerda”.

“O ataque ao Acampamento Marisa Letícia é mais um episódio de violência política contra a democracia e acontece um mês depois de tiros terem atingido ônibus da caravana Lula Pelo Brasil no interior do Paraná. Até agora não foram presos os autores dos disparos feitos no mês passado e tampouco os desta madrugada”, declarou a cúpula dirigente do PT em nota nota que finaliza dizendo que “o mundo inteiro conhecerá mais um crime político que se cometeu no Brasil depois do golpe. O Partido dos Trabalhadores exige punição imediata dos criminosos. Chega de conivência! Basta!”.

No local, foram recolhidas balas de calibre 9mm e a informação é de que foram disparados cerca de 20 tiros. No dia 27 de março um dos ônibus da Caravana Lula foi atingido por dois tiros de arma de foto calibre 32.

 

Acampamento Marisa Letícia, mais uma manifestção pró-Lula

Gleisi Hoffmann e Pepe Vargas, em manifestação pró-Lula, em Porto Alegre, quando do julgamento do ex-Presidente pelo TRF-4 (fevereiro/2018)

 

Veja também:
Paulo Pimenta em vídeo sobre o ataque

Leia mais:
Matéria publicada pelo JB
DCM (28/abril/10:24)