Glenn Greenwald, fundador do Intercept Brasil
Glenn Greenwald falará sobre as reportagens do Intercept Brasil relacionadas aos vazamentos da Lava Jato, na terça-feira, 25, na Câmara dos Deputados

Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, deve comparecer à
Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) no dia 25  (terça-feira/junho), às 15 horas.

Em audiência pública, no auditório 10, o jornalista debaterá reportagens divulgadas sobre a Lava Jato. O requerimento é de autoria dos deputados Camilo Capiberibe (PSB-AP), Carlos Veras (PT-PE), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Túlio Gadelha (PDT-PE).

A CDHM pontua que a Declaração Universal dos Direitos Humanos e o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos determinam garantia de julgamento por tribunal competente e independente; presunção de inocência; o princípio da legalidade e o devido processo legal como direitos humanos inerentes à dignidade de todos indivíduos.

O requerimento é de autoria dos deputados
Camilo Capiberibe (PSB-AP),
Carlos Veras (PT-PE), Márcio Jerry
(PCdoB-MA)
e Túlio Gadelha (PDT-PE).

De acordo com os deputados requerentes, esses direitos, particularmente no que se refere ao ex-presidente Lula, foram violados reiteradas vezes. Os deputados reforçam que esse quadro é claro nas reportagens coordenadas por Glen Greenwald no Intercept.

O jornal aponta momentos que parecem ser indiscutíveis sobre a parcialidade na atuação do então Juiz Sérgio Moro e de outros juízes e procuradores. O material divulgado por Greenwald chega a apontar um possível aval do Ministro Fux, do STF.

Moro igualmente foi convidado a uma audiência pública conjunta entre a CDHM e a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP), prevista para a próxima quarta-feira (26) às 10 horas. Sua presença, entretanto, não está confirmada.

Com informações da  Agência Câmara.

Leia também:
Dodge peticiona contra Lula
A quem interessa a narrativa dos “hackers criminosos” na Vazajato?